30 de setembro de 2020
Modelos de planilhas e conteúdos sobre gestão empresarial

Grandes crises geram grandes mudanças e produzem novas oportunidades. Quando algo drástico acontece, abala certezas e velhos modos de operar. Nesse sentido, a chegada da pandemia de COVID-19, trouxe consigo grandes impactos negativos para a saúde e economia, disso não há dúvidas. Porém, é necessário encarar outras perspectivas desse acontecimento que vem atingindo os mais diversos países, sobretudo os de terceiro mundo, como o Brasil.

Além de evidenciar desigualdades e a necessidade de mudanças na gestão política, na gestão empresarial a crise não chegou de modo diferente. Com processos lentos e muitas vezes desorganizados, muito empreendedores viram-se em apuros quando decretos municipais determinaram o fechamento do comércio, para evitar aglomerações e pontos de contaminação.

Com isso, a pandemia forçou uma aceleração no movimento do empreendedorismo digital. Logo, estamos diante de um boom de crescimento nos investimentos em tecnologia empresarial. Desde a aposta em ecommerce, markeplaces, lojas virtuais, catálogos online ou mesmo nas redes sociais e whatsapp.

Como em todos os momentos históricos, a dor ensina e empreender. Não era esse o ditado?

Diante desse cenário, é fundamental pensar também em modos de flexibilizar o atendimento e, claro, os pagamentos. Quais métodos de pagamento você utiliza hoje? Como acompanha essas informações? O seu ERP permite que você tenha um panorama completo de todas as informações de despesas, receitas, produtos e taxas de credenciadoras? Como trabalhar com recebimentos automáticos? Quais plataformas oferecem as melhores vantagens? Com o crescimento do comércio online, ainda há empreendedores que possuem dúvidas sobre os métodos de pagamentos disponíveis no mercado. E para responder todas essas questões, a gente criou este artigo que, certamente, poderá lhe ajudar e definir quais os meios de pagamento mais adequados às necessidades do seu negócio.

O que considerar antes de pensar em meios de pagamento?

Antes de mais nada, entenda o perfil de consumo e pagamento dos seus clientes. Pode soar repetitivo, mas é sempre importante lembrar que a sua estratégia comercial deve estar bem alinhada ao comportamento da sua clientela.

Portanto, essa é a sua primeira tarefa, entender onde o seu público está e como ele se comporta.

A seguir, avalie como você faria o controle desses distintos meios de pagamento. Se serão pagamentos automáticos ou manuais, se o seu ERP consegue integrar essas informações, se você irá nutrir seus lançamentos manualmente ou se pode importar o arquivo OFX do seu banco direto para o sistema. Tudo isso irá pesar no momento de definir quais maios de pagamento implementar na sua empresa.

Além disso, o ideal é que o seu sistema de processamento da compra tenha conexão com seu estoque e com o módulo de emissão de notas fiscais. Permitindo, então, que todo o processo de venda seja organizado e seguro para você e para os seus clientes.

Desse modo, outra dica importante é buscar meios de pagamento que ofereçam segurança aos compradores. Característica fundamental, que agrega valor a qualquer negociação. Afinal, ninguém quer ter seu cartão clonado ou dados sensíveis roubados por alguém de má-fé. Leve isso em consideração!

1. O bom e velho boleto bancário

Atualmente, há no mercado uma infinidade de meios de pagamento para todos os gostos e bolsos. No entanto, contrariando o movimento crescente dos pagamentos virtuais, o boleto ainda é a melhor opção para muitas pessoas.

Por falta de crédito ou por receio de colocar dados de cartão de crédito em uma loja virtual, muitas pessoas preferem efetuar pagamentos através de boleto.

Como você pode notar em vários sites de ecommerce, muitas empresas dão descontos aos clientes que optam pelo pagamento em boleto. Isso se deve ao fato de que boletos tem valor baixo, acordado entre a sua empresa e o seu banco. Bem diferente das taxas pagas às credenciadoras de cartão de crédito.  

2. Cartão de Crédito e Débito

Sem dúvida, os meios de pagamento mais utilizados são os cartões de crédito e de débito. Esse formato permite parcelamentos, diluindo custos mensais para quem compra. Por outro lado, para você empreendedor, há uma série de taxas de acordo com a credenciadora da sua máquina de cartão, na loja física ou com gateways de pagamento no caso do processamento virtual de recebimentos.

Não bastasse isso, outro ponto negativo para a empresa que recebe via cartão de crédito é que o pagamento pode levar até 30 dias para ser creditado na sua conta e o processo de estorno nem sempre é simples.  

3. Plataformas de Pagamento

Por fim, com o avanço dos bancos digitais e das plataformas de pagamento, hoje há uma série de empresas com as quais você pode integrar a sua loja virtual, site ou sua página de delivery para que oferecer diferentes possibilidades de pagamento a seus clientes.

Plataformas como PagSeguro, Rede e Stone têm grande destaque nesse cenário. Geralmente, o lojista cria uma loja em um markplace ou uma plataforma de ecommerce para anunciar os seus produtos. Então, a empresa fornecedora do canal de ecommerce é quem disponibiliza a integração com determinados intermediadores de pagamento.

Nesse caso, o seu cliente faz a compra, paga e somente quando o pagamento é aprovado tanto pelo intermediador, como pelo seu banco, é que a venda é finalizada.

Um ponto de grande destaque para esse tipo de plataforma de pagamento é que elas costumam aceitar uma grande gama de cartões e, especialmente, possuem protocolos de segurança de dados sensíveis, o que é extremamente importante para garantir confiabilidade à sua loja virtual.

E então, gostou dessas dicas? Quais dessas formas de pagamento você já utiliza na sua loja física e irá utilizar na sua loja virtual? Seus entregadores levam máquinas de cartão nas entregas ou você só trabalha com pagamentos em dinheiro? Conta pra gente!

Até a próxima!

Show Full Content
Anterior A sua empresa está impedida de abrir as portas?
Próximo WhatsApp Pay: uma nova opção em pagamentos para sua empresa
Fechar

Próximo conteúdo

Fechar

Rotas de Entrega: como planejar melhor a logística da empresa

22 de junho de 2015
Fechar