7 de abril de 2020
Modelos de planilhas e conteúdos sobre gestão empresarial

Antes de mais nada, se você é empreendedor sabe que o controle financeiro da empresa é essencial para verificar o resultado obtido em um determinado período. Ou seja, se a empresa obteve lucro ou prejuízo. Para a realização de um controle efetivo das informações financeiras, podem ser utilizados diversos parâmetros, como por exemplo: o Centro de Custos.

Empreender é sim, sinônimo de ganhar dinheiro. Mas para isso, é preciso saber como ter controle desse dinheiro, para poder fazê-lo se multiplicar.

Saber quanto de dinheiro gira em seu caixa, quais são as receitas do mês e despesas de curto, médio e longo prazo é imprescindível para planejar as ações, compras e o crescimento do seu negócio.

Seja no setor de comércio, serviços ou indústria, o controle financeiro cumpre a função de ordenar os proventos da empresa, de modo a manter o seu caixa sempre no positivo, estoques abastecidos e haver sempre algum capital extra para qualquer eventual necessidade.

Para quê serve um Centro de Custos?

A menos que você nunca tenha gerenciado um negócio, o termo centro de custos deve ser familiar a qualquer empreendedor. Sobretudo nas pequenas empresas, onde o proprietário é o gerente administrativo do negócio.

A saber, um centro de custo constitui-se da apuração de todos os lançamentos financeiros de uma empresa. Portanto, seu levantamento é fundamental compreender e poder administrar os gastos ou custos do negócio. Bem como, estipular os investimentos futuros. Com a implementação desse tipo de técnica é possível ter uma visão melhor dos gastos de cada setor e de pontos a serem melhorados a fim de manter seu caixa sempre positivo.

Similarmente, sua forma de cálculo organiza, de um lado as receitas e de outro, as despesas de um negócio. Analogamente, por pormenorizar estas operações financeiras, o gestor tem no centro de custos uma poderosa ferramenta para entender em que medida um produto ou serviço rende mais para a empresa.

Por exemplo, imaginemos que sua empresa é uma confeitaria. Analisaremos os custos e receitas dos setores de produção e vendas. Todos os dias você vende 2.000 pães. Portanto, em uma semana, vende em média 14.000 pães. Em contrapartida, semanalmente vende 10 bolos de pasta americana.

Com a análise de um centro de custos, você identifica que para produzir os 14.000 pães, você tem um custo de R$1.680,00. E você fatura, R$5.600,00. Tendo um lucro bruto de R$ 3.920,00. Os bolos, por sua vez, tem um custo total de R$900,00. Na venda destes, você tem uma faturamento bruto de R$5.000,00. Tendo um lucro de R$4.100,00. Desse modo, fica fácil confirmar que você tem um ganho mais expressivo nos bolos. Ou seja, eles são o melhor negócio para o crescimento da sua empresa.

Como é feito o cálculo em um centro de custos?

Primordialmente, cada empresa tem sua forma de dividir seu centro de custos. Via de regra, a divisão é feita por setor: produção, marketing e vendas. Ou, então em: custos de produção e custos administrativos. Essa macro-divisão abrange qualquer tipo de negócio.

Afinal, independentemente se você atua na venda de produtos ou de serviços há investimentos que estão diretamente relacionados à produção da mercadoria ou realização do serviço. Outrossim, haverá o custo de despesas fixas da empresa, mão de obra e de todas as movimentações que estão relacionadas diretamente com a operação.

Desse modo, podemos entender os custos produtivos como aqueles que provêm da fabricação e da comercialização do bem. A área de vendas da sua empresa, por exemplo, está inclusa nestes custos. Afinal, será preciso ter vendedores para vender as mercadorias. No que diz respeito aos custos de produção, devemos considerar a matéria-prima, o maquinário, os profissionais que trabalham na área de desenvolvimento do projeto e na produção em fábrica.

Ao contrário, pensando em custos não produtivos, devemos considerar todos os custos que não estão diretamente ligados ao que gera receita para a empresa. Por exemplo, o pagamento de impostos, a contratação de ferramentas tecnológicas para questões administrativas, o setor jurídico. Todos esses fatores têm um impacto na empresa. No entanto, não são tarefas diretamente ligadas às vendas e produção.

Mas por que dividir os custos e receitas por área? Essa divisão é feita a fim de que se possa identificar a performance de cada setor, individualmente.

Como um Software ERP pode transformar sua Gestão Financeira?

Logo após entender o que é um Centro de Custos, é chegado o momento de implementá-lo na sua empresa. Para isso, é fundamental contar com uma solução tecnológica que lhe permita automatizar lançamentos e reunir todas as informações em um só lugar. Com um Sistema ERP como o SIGE Cloud, você consegue segmentar seus centros de custos e acessá-los como e onde quiser.

Imagine poder fazer cálculos em segundos e não correr o risco de esquecer nenhum lançamento? Com essa facilidade é possível antever períodos de crise, identificar setores que têm um consumo maior, otimizar processos e, se necessário, apertar os cintos das despesas.

Sempre haverá aquele ou aquela empreendedora que dirá que tem uma empresa pequena e que não há como se adaptar ao modelo engessado dos centros de custos. Porém, é possível contratar uma licença de um ERP em nuvem, de modo que contemple todas as suas necessidades, sem pesar muito no bolso.

No momento de contratar seu Sistema ERP, tenha em mente as necessidades do seu negócio e, sobretudo, faça testes. Procure entender em que medida esta ferramenta poderá proporcionar maior organização para estruturar o seu empreendimento.

Os clientes do SIGE Cloud, por exemplo, podem ter seu Software de Gestão Empresarial como um grande diferencial competitivo. Até porque com o Cloud, além dos completos módulos de Gestão Fiscal, Gestão de Compras, CRM, Vendas, Serviços, é possível criar diversos centros de custos, criando um amplo panorama do seu negócio. O que, a médio e longo prazo resulta em dados precisos para o planejamento estratégico da empresa.

Nesta imagem é apresentada uma série de centros de custos de uma determinada empresa, separados por setor. Você pode separar da maneira que melhor convier ao à sua administração,

E então, gostou deste conteúdo? Quer saber mais sobre gestão financeira? Recomendamos a leitura do artigo: 5 Relatórios Financeiros para transformar a Gestão do seu Negócio

Show Full Content
Anterior Quais as maiores vantagens de usar um Software de Gestão?
Próximo Diagrama de Pareto: como a regra 80/20 impacta o seu negócio?

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar

Próximo conteúdo

Fechar

Personas: Descubra o que são e como criá-las de maneira fácil!

6 de agosto de 2018
Fechar