9 de julho de 2020
Modelos de planilhas e conteúdos sobre gestão empresarial

Quem é que não gosta de um bom prato de comida? Melhor ainda se a comida que vier pronta, cheirosa, quentinha e você não precisar se preocupar em cozinhar ou na pilha de louça se acumulando na pia.

Está dando até fome, não é?

Com rotinas cada vez mais estressantes, onde o trânsito e a agitação do trabalho ou estudos tornam cada vez mais difícil cozinhar as próprias refeições, uma grande parcela da população mundial tem aderido aos aplicativos, e-commerces ou redes sociais de restaurantes e lanchonetes. O que abrange todos os gostos, desde a fast-food até a alimentação mais saudável ou, até mesmo, orgânica.

De acordo com dados de 2018, mais de 80% dos internautas brasileiros já pediram comida através da internet, seja via computador ou smartphone.

Tá pensando o mesmo que eu? Se 80% do público que navega na internet pede comida delivery, isso é muita gente! Então, tá aí uma boa alternativa de negócio. O ano recém está começando e quem sabe não é essa a dica de negócio que irá revolucionar o seu 2020?

Se acaso você já tem um pequeno restaurante, pizzaria, bar ou lanchonete e está pensando em alavancar suas vendas, mas não sabe como, a internet pode lhe proporcionar um universo de possibilidades.

Você já vende comida em seu bar ou restaurante, mas gostaria de expandir as vendas para o universo online? Ou então, está pensando em empreender no ramo alimentício, mas não quer investir em um ponto físico?

Aproveite! Neste artigo compartilhamos algumas ideias de como vender comida online. Conheça e entenda qual é a melhor forma para você começar a ganhar dinheiro agora mesmo!

1. E-commerce

Assim como o brasileiro já está totalmente adaptado a comprar produtos e serviços através de e-commerce, com a comida a história não é diferente.

Montar um negócio para vender produtos alimentícios online tem muitos benefícios, seja pelo aumento da influência da sua empresa física ou então pela economia de não precisar montar um ponto comercial para atender sua clientela.

Nesse sentido, uma alternativa altamente rentável é apostar no e-commerce, onde você compartilha seu cardápio, preços e combinações para compra. O cliente, por sua vez, seleciona o que deseja, forma o pedido e finaliza com pagamento online ou no momento da entrega.

De acordo com a plataforma onde você criar sua loja virtual, é possível adicionar mais informações como a história da sua marca ou empresa, um blog com artigos e conteúdos que melhorem o SEO do seu negócio. Lembre-se que apostar em marketing digital é importante para estar bem ranqueado nas buscas e se destacar de seus concorrentes.

Ademais, as plataformas de Ecommerce possibilitam a vinculação de serviços de entrega, diferentes formas de pagamento e chat para atendimento ao cliente.

2. Aplicativos

Geralmente, essa é a forma mais usual. Vender comida através de aplicativos virou regra para qualquer tipo de restaurante. Empresas gigantes com a famosa iFood abocanharam pequenos aplicativos e tornaram-se líderes no mercado nacional.

Esse tipo de negócio é simples e geralmente não envolve muitos custos. Alguns aplicativos cobram uma taxa fixa mensal, outros cobram um percentual sobre as vendas. Assim, é necessário contatar o aplicativo no qual você deseja inserir-se e cadastrar seu negócio. Os usuários do app farão as buscas e encontrarão o seu restaurante entre as opções. a partir daí é só preparar pedidos e faturar!

Outro destaque do uso de aplicativos é que com a localização do celular, via GPS, o usuário sabe a proximidade do seu restaurante, podendo pesquisar por restaurantes próximos ele.

Aproveitamos o assunto para compartilhar com você alguns dos principais aplicativos de delivery do Brasil.

5 aplicativos de Delivery mais usados no Brasil:

Redes sociais

O bom e velho Facebook da empresa ou aquele WhatsApp da sua lancheria preferida são sempre uma boa pedida na hora da fome. Pegar o celular e pedir um lanche ou mesmo um prato mais elaborado através das redes sociais é bem comum.

Sem custos, com essa é uma ótima opção para quem quer divulgar sua empresa e interagir com os clientes sem precisar de muitos recursos.

Nossa dica é que você crie uma página no Facebook ou Instagram e comece a postar fotos dos pratos, cardápio do dia, sobremesas. Aproveite e faça enquetes com seus seguidores, descubra o que eles querem comer e estreite laços, fidelizando seus clientes.

Uma dica importante neste caso é ter alguém inteiramente à disposição para responder dúvidas, comentários e mensagem in box ou via direct. Lembre-se que o tempo de resposta é fundamental para você ser bem avaliado nas redes.

Não esqueça de pedir feedback e estimular recomendações. A recomendação nas redes sociais não precisa ser um texto. Muitas vezes, basta um check-in ou aquela foto marcando a sua lanchonete ou restaurante.

Sistema de Gestão para Restaurantes

Agora que você já está um pouco mais familiarizado com a venda de comida online, é hora de falar em gestão empresarial. Não dá para controlar tudo no caderninho ou em várias planilhas.

Por isso, convido você a conhecer o módulo Foods do SIGE Lite.

Com o SIGE Lite Foods é possível gerenciar restaurantes, pizzarias, cafeterias, bares, lanchonetes e tantos outros empreendimentos do ramo alimentício. Aliando controle financeiro integrado e agilidade às operações do seu comércio.

Tenha:

  • Aplicativo Mobile para Garçom;
  • Controle de Comandas e Mesas;
  • Integração com o iFood;
  • Gestão de Tele-entrega;
  • Sistema ERP preparado para telas touch;

E então, gostou deste conteúdo? Quer saber mais sobre o assunto? Recomendamos a leitura do artigo: Qual a importância de um sistema de gestão para Bares, Restaurantes ou Pizzarias?

Show Full Content
Anterior SIGE Mobi: novidades do aplicativo de vendas
Próximo Guia Tributário: tudo o que você precisa saber sobre ICMS em 2020
Fechar

Próximo conteúdo

Fechar

Principais dúvidas do empreendedor ao montar seu negócio

22 de abril de 2015
Fechar