14 de dezembro de 2019
Modelos de planilhas e conteúdos sobre gestão empresarial

Essa é uma história de empreendedorismo e inovação que começa como tantas outras… Era uma vez um jovem de 17 anos que, para ajudar a família, seguiu os passos da mãe e começou a vender chocolates “de porta em porta”.

Agora, quebrando a cronologia dessa história considere apenas que neste artigo vamos falar sobre a maior rede de franquias de chocolates finos do Mundo: a marca brasileira, Cacau Show.

A seguir, conheça a trajetória e importantes dicas de um dos empreendedores mais bem sucedidos do Brasil, Alexandre Costa.

Como a Cacau Show cresceu tão rápido?

Antes de mais nada, é verdade que a Cacau Show nasceu no final da década de 1980, quando Alexandre Costa tinha apenas 17 anos e precisava vender trufas no modelo “porta a porta” para ajudar a mãe.

Ao passo que as vendas cresciam exponencialmente, com um olhar sempre atento o mercado, esse jovem empreendedor transformou o seu pequeno negócio que iniciou com apenas 500 dólares, em uma gigante do ramo alimentício. Faturando hoje, mais de 2,5 bilhões de reais. Valores que contemplam vendas diretas e toda a rede de franquias com mais de 2.000 lojas em todo o Brasil.

Para que você possa entender a rapidez desse crescimento, através de um sólido plano de expansão, entre os anos de 2004 e 2009, a Cacau Show teve uma média 25 lojas inauguradas por mês. 

O que esse crescimento acelerado representa?

Vários são os fatores que justificam a rapidez do crescimento e sucesso da Cacau Show. Um desses elementos e que merece destaque foi a construção de uma marca forte e muito reconhecida.

No ano de 2010, em comemoração a sua milésima loja, Alexandre Costa lançou seu livro com o título: “Uma trufa e … mil lojas depois”. Nele, o empresário conta a trajetória de sucesso da empresa calcada em uma noção de fortalecimento contínuo da marca.

Além disso, outro fator-chave para impulsionar esses resultados, foi a estratégia de marketing. Essa estratégia consistiu em posicionar seus produtos com maior valor agregado ou uma maior margem de lucro por unidade. Ademais, houve um profundo estudo termos de embalagens mais trabalhadas. E a preocupação com cada detalhe do layout e da ambientação das lojas, a fim de transmitir a sensação de carinho e um toque de refinamento. Desse modo, seus chocolates passaram a ser oferecidos como pequenos presentes.

Assim, de meras guloseimas, passaram a concorrer com uma fatia maior do mercado. Ou seja, a Cacau Show começou a marcar presença na competição com outros segmentos, como roupas e perfumes. Essa jogada foi, sem dúvida, um grande diferencial, que ampliou o público disposto a investir em um ticket médio maior. E, consequentemente, expandindo o potencial competitivo dos seus chocolates finos.

Qual o papel da Cultura Organizacional?

Nos parágrafos anteriores falamos sobre como a trajetória da Cacau Show foi pautada nas estratégias de seu fundador. Outra estratégia, no entanto, merece especial atenção: a cultura organizacional.

Mais que o parâmetro da competitividade, segundo Alexandre Costa, os valores de afetividade, valorização das pessoas e de construir momento de felicidade junto a seus clientes, se sobrepõe à simples venda de chocolates.

Todos esses valores constituem uma cultura que a empresa tem desde a sua criação, até hoje. Exemplo disso, ainda hoje os membros mais antigos da empresa é que são os responsáveis pelas atividades de interação e boas-vindas de novos colaboradores. Vale lembrar que até o próprio Alexandre faz questão de participar dessas atividades. Inclusive, como relata em seu livro, o empreendedor até cozinha para os colaboradores em seu famoso almoço anual de sexta-feira santa.

Muitos outros rituais fazem parte dessa cultura tão forte, como a entrega da última caixa de chocolate produzida, representando o esforço e dedicação de todos os setores da empresa, ao longo de meses de trabalho. E, como não poderia deixar de ser, esse encantamento e afetividade estão presentes também, no treinamento de cada um dos franqueados.

Enfim, essa é uma dica preciosa que o empresário leva muito a sério, ainda que a marca invista em técnicas e profissionais altamente qualificados. Ele acredita que sim, a emoção é combustível fundamental para impulsionar os negócios.

A Cacau Show inova constantemente!

Por fim, a última dica estratégica de Alexandre Costa é a inovação constante. Muitos empreendedores pensariam que uma marca como a Cacau Show, a maior do mundo em seu segmento, já atingiu um patamar altíssimo e que não precisaria de mais. Entretanto, seu fundador acredita na criatividade e inovação para pôr a empresa sempre em movimento.

E essa inovação se aplica desde os layouts de lojas e embalagens renovadas a cada coleção, passando pela criação de produtos e receitas, até mesmo aos processos de gestão do negócio. O empresário destaca que investe em excelência e eficiência na produção em larga escala, reduzindo custos e potencializando resultados. Segundo o próprio Alexandre, quem não se reinventa, morre para o mercado.

Diante de todas essas dicas, vai uma trufa aí para te ajudar a ter uma boa e inspiradora ideia para o seu negócio? Afinal, quem é que não gosta de chocolate?

Show Full Content
Anterior O que os coaches não dizem sobre: sucesso, fracasso e mentalidade empreendedora
Próximo Novidades de Setembro do SIGE Cloud
Fechar

Próximo conteúdo

Fechar

Conheça a integração do SIGE Cloud com a Plataforma E-commerce Moovin

19 de setembro de 2019
Fechar