8 de julho de 2020
Modelos de planilhas e conteúdos sobre gestão empresarial

Notícias sobre a Pandemia do Coronavírus, COVID-19, têm monopolizado a mídia virtual e televisiva. Decretos municipais, visando evitar a contaminação e combater o vírus, defiram já na semana passada medidas de isolamento da população, o que garante o fechamento da grande maioria das empresas em todo o território nacional.

Nesse sentido, o COVID-19 deixa de ser apenas uma questão de saúde pública e ultrapassa a esfera da economia. Uma vez que o fechamento das empresas pelo período de quarentena representa impactos financeiros que, segundo especialistas, serão mais intensos que a crise econômica mundial, de 2008.

A pergunta que não quer calar é: como micro e pequenas empresas, que já são massacradas por custos básicos e uma carga tributária tão expressiva, poderão resistir a esse período de tamanha turbulência?

Pensando sempre em garantir as melhores condições para que pequenas empresas brasileiras possam prosperar, criamos este artigo. Nele compartilhamos 7 poderosas dicas para que a sua empresa siga financeiramente saudável, mesmo diante da crise do Coronavírus, que está devastando economias em todo o mundo.

Fique atento às nossas dicas!

1. Postergar o pagamento de impostos

Antes de mais nada, uma das primeiras medidas tomadas pelo governo, em prol das empresas e da saúde econômica do país, foi permitir ao empresário, postergar o pagamento de impostos como a parcela do Simples e o pagamento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Infelizmente, ainda não é uma isenção, mas só o fato de que estes impostos poderão ser pagos em datas futuras, já são suficientes para dar um fôlego às empresas nesse momento tão difícil que tem alterado e irá alterar ainda mais, as cadeias de produção e consumo, afetando diretamente todo tipo de negócio.

2. Planejamento financeiro para os próximos meses

Essa não é propriamente uma dica nova. Afinal, acompanhar e controlar todas as suas receitas e despesas é tarefa para qualquer tempo. Não adianta deixar o seu financeiro de lado e só correr para analisar os números, em momentos de crise.

Ainda assim, para que a sua micro ou pequena empresa possa enfrentar os abalos ocasionados pelo COVID-19 e que nem mesmo os maiores especialistas em administração estão conseguindo dimensionar, organização deve ser palavra-chave na sua empresa. Nessa lógica, projetar receitas a curto, médio e longo prazo, analisar contratos e calcular suas despesas atuais é imprescindível para manter o máximo de controle na Gestão Financeira do seu negócio.

Se acaso você ainda não possui um sistema de gestão empresarial que lhe permita automatizar esse planejamento e ter ampla visão das suas finanças a médio e longo prazo, uma alternativa viável e que irá lhe ajudar nesse momento é o SIGE Lite.

Criado especialmente para atender as micro e pequenas empresas, o SIGE Lite reúne uma série de recursos para gestão de vendas, controle de estoque, emissão de notas fiscais e controle de contas a pagar e a receber. Quem sabe essa não é uma ótima oportunidade para planejar efetivamente os rumos da sua empresa?

3. Redução de custos fixos e variáveis

Não só a produção caiu, como também a venda. E para tentar conter esse efeito dominó que o Coronavírus está criando em tantos países, um caminho possível e que ajuda a reduzir o desespero das contas que não param de chegar, mesmo quando os resultados da sua empresa estão ruins, é adotar medidas rígidas de redução de custos.

Se a sua empresa oferece um serviço que pode ser prestado em home office, você terá uma redução de custos bastante expressiva. Calcule a redução no consumo de energia elétrica, água, benefícios de transporte. Claro que o que você e todos nós gostaríamos é que todo mundo estivesse na empresa, trabalhando e produzindo a todo o vapor. Mas se esse não é o caso, em um momento tão delicado, que exige de empreendedores e colaboradores a maior união possível, encarar a quarentena como uma forma de reduzir quaisquer custos desnecessários é a melhor opção.

Por isso, aproveite este período para controlar melhor o seu caixa, renegociar dívidas e cortar gastos que, em períodos de muito movimento, você ainda não havia identificado que eram desnecessários.

4. Antecipar Férias dos Colaboradores

Se acaso você tem uma fábrica ou qualquer tipo de empresa em que não é possível aderir ao home office, para evitar gastos excessivos, em um momento em que a produção está parada e o consumo também, uma alternativa viável para proteger os seus colaboradores, evitando contágio e reduzindo custos de infraestrutura é oferecer férias coletivas.

5. Aderir ao E-commerce

Não é novidade que o e-commerce é uma forma prática, segura e rentável de manter sua empresa em pleno funcionamento, a custos bem mais baixos.

Com a chegada do Coronavírus e os decretos que proíbem aglomerações, o comércio virtual tornou-se a única alternativa para pubs, bares, restaurantes e lanchonetes.

De acordo com as recomendações de saúde pública, desde que os níveis de higiene sejam respeitados, é possível seguir atendendo clientes e entregando pedidos por delivery. Desse modo, diversas empresas estão encontrando meios de enfrentar essa situação caótica, utilizando whatsapp, instagram e facebook para manterem-se ativas.

Então, veja se os seus produtos se enquadram nesse formato de negócio e aposte nessa oportunidade!

6. Criar Promoções mais robustas

Primeiro, o Coronavírus fez com que sua equipe precisasse ser reduzida. Depois, talvez tenha sido preciso aplicar medidas mais drásticas como férias coletivas. Ainda assim, a sua empresa não deixa de ter custos que precisam ser suportados de alguma forma.

Uma dica que pode surtir bastante efeito é a criação de promoções mais agressivas.

Afinal, é melhor que você venda um produto ou serviço lucrando pouco, do que não vender e não ganhar nada.

Nesse sentido, aproveite este período para anunciar a preços “arrasadores” aqueles produtos que estão há tempos parados no seu estoque. Lojas de roupas e calçados podem criar saldões com produtos de troca de coleção, já que na semana passada saímos do verão e entramos no outono.

Além disso, muitos profissionais liberais (que costumam ser os mais afetados com essa crise financeira) como massagistas, tatuadores, manicures têm aderido aos cupons de desconto. Com esse tipo de cupom, o cliente compra antecipadamente um pacote de serviços (que só será realizado após a quarentena). Com medidas como essa, o dinheiro não para de circular na economia e os seus clientes também se beneficiam com a compra de um serviço muito mais barato do que valor normal.

7. Nutrir a relação com os seus clientes

Por fim, como não poderia deixar de ser, a manutenção de uma relação saudável e próxima a seus clientes é fator preponderante para manter-se como a primeira opção da sua persona.

Dessa forma, abuse das redes sociais, whatsapp, reuniões por Skype outros aplicativos de vídeo conferência. Porque é desse modo, mantendo-se ativo diante do seu público, mostrando que apesar das dificuldades e sua empresa está ali, para auxiliá-lo diante de qualquer dúvida, que você poderá se destacar de toda a concorrência.

Mas e se você for um prestador de serviços, como um professor de Pilates, por exemplo?

Nesse caso, uma alternativa interessante em tempos de isolamento, devido ao Coronavírus, é criar roteiros de exercícios e desenvolver vídeo-aulas. Assim, nem você, nem os seus clientes precisam se expor a nenhum risco. Podendo manter uma comunicação próxima e efetiva, mesmo à distância.

É claro que sabemos que o período é de muita tensão e receio por parte dos colaboradores, como também por parte dos empresários que se vêem em uma saia justa, ao ter que fazer malabarismos com o custos de manutenção do negócio em meio a uma avalanche de problemas causados pela crise do Coronavírus.

No entanto, se aplicadas as medidas que mencionamos neste artigo, sem dúvida, será possível minimizar os impactos nocivos gerados pela pandemia aqui no Brasil e, sobretudo, na sua micro ou pequena empresa.

Show Full Content
Anterior Home office: dicas para trabalhar sem sair de casa
Próximo Quais impostos serão prorrogados para ajudar as PMEs a enfrentar a crise?
Fechar

Próximo conteúdo

Fechar

Final do ano e planejamento: aliados para o bem da empresa

28 de novembro de 2016
Fechar