30 de setembro de 2020
Modelos de planilhas e conteúdos sobre gestão empresarial

Sem dúvida, independentemente do tamanho da sua empresa ou segmento, conhecer formas de pagamento que garantam agilidade para o seu negócio é fundamental. E o Pix do Banco Central chega justamente com essa proposta!

No começa de 2020, o Banco Central iniciou a divulgação de um revolucionário mecanismo para realizar pagamentos instantâneos. Mas que ferramenta é essa e como o uso dela pode impactar o seu negócio?

Para entender um pouco mais sobre o Pix e os benefícios para a sua empresa, siga lendo este artigo!

O que é o Pix?

Atualmente, fazer pagamentos por TED ou DOC é um processo que depende de alguns fatores como a geração de um boleto, o pagamento que precisa ser feito em um horário ou data específico para que o dinheiro entre na sua conta no mesmo dia. Caso contrário, você pode levar dias para receber. Além disso, transferências têm taxas que podem pesar no bolso do consumidor. Ou seja, há encargos e toda uma burocracia envolvida em operações que poderiam ser simples e são fundamentais para fechar vendas.

Nesse sentido, o Pix chega como uma aposta em proporcionar a todos os usuários uma nova solução tecnológica que barateia o custo das operações de pagamentos e transferências.

Por certo, com a implementação do Pix o torna uma alternativa para realizar operações financeiras como transferência de valores, o pagamento de contas, impostos e taxas de serviços de forma rápida, segura e barata.

De acordo com nota do Banco Central, o app não terá nenhum custo para para pessoas físicas. Já para as pessoas jurídicas, o custo será irrisório, apenas R$0,01 a cada 10 transações.

Quando o Pix entra em vigor?

Com lançamento previsto para o começo de novembro, o Pix já é uma realidade que exige adequações por parte de bancos e fintechs voltadas para serviços financeiros.

Ainda de acordo com a mais recente nota publicada pelo BC, o início do cadastro das chamadas Chaves Pix, será já no mês de outubro. A ideia que é informações como números de telefone celular, CPF, CNPJ ou e-mail, se tornem dados suficientes para que uma pessoa possa transferir valores a outra, sem intermediação. É sem burocracia mesmo!

As pessoas físicas poderão registrar até cinco chaves Pix, já as jurídicas podem criar até 20 chaves por conta.

Em resumo, o Pix trará a praticidade de funcionar 24 horas por dia, efetivando as transações em segundos.

Imagine a transformação para o seu negócio com dinheiro entrando na sua conta na hora. Vendeu, recebeu!

Tanto pessoas físicas como as jurídicas (seja quem paga ou quem recebe), para que possam usar o Pix, deverão necessariamente ter uma conta bancária.

Como usar o Pix?

Primeiramente, cabe destacar que as transações poderão ser feitas de diferentes formas:

  • Com dados bancários de quem vai receber o pagamento, similarmente ao que é feito com TEDs e DOCs;
  • Através de chave Pix (dados cadastrados pelo usuário);
  • Por meio da leitura de QR Codes;

Pagamentos com Pix por QR Code

Como já é feito através de diferentes plataformas, o pagamento com o Pix poderá ser feito via QR Code. A empresa credora, gera um QR que poderá ser lido em qualquer smartphone, permitindo o pagamento automático.

Para transferências, será empregado o QR Code estático. Já no caso de pagamentos de compras, o QR Code dinâmico será o mais utilizado, permitindo adequação a diferentes valores.

E então, gostou da novidade? Quer ainda mais um Spoiler? O SIGE Cloud está lançando o seu próprio banco online, já dentro do próprio sistema para gerenciar suas receitas, despesas e automatizar rotinas.

Show Full Content
Anterior Novidades de Setembro do SIGE Cloud
Próximo Planejamento Financeiro: recursos para o seu faturamento crescer
Fechar

Próximo conteúdo

Fechar

Preço de Venda: como calcular o valor dos itens vendidos

20 de julho de 2015
Fechar