7 de abril de 2020
Modelos de planilhas e conteúdos sobre gestão empresarial

A chegada desastrosa do COVID-19 ao país já resulta hoje em inúmeros casos confirmados, mortes e deixa um rastro de destruição nas finanças de empresas dos mais diversos segmentos.

Nesse sentido, atendendo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, foram publicados decretos municipais que exigem a cooperação de todos para que seja cumprido um período de isolamento social.

Logo, essa quarentena passou a ser motivo de preocupação não apenas aos que pertenciam as grupos de risco ou aos que, de fato, contraíram a doença. Mas aqueles cujas empresas precisaram conceder férias coletivas, aos prestadores de serviço que estão parados sem clientes há dias ou aos comércios que deixaram de vender porque o público não pode e não deve sair de casa.

Nesse cenário que em poucos dias já se configura como caótico e incerto, órgãos governamentais e bancos declararam medidas rápidas para minimamente tentar reduzir os efeitos, que ainda não podem ser medidos, causados pelo COVID-19, conhecido como Coronavírus.

Como o BNDES ajudará essas empresas?

A fim de amenizar uma das piores crises dos últimos tempos na economia brasileira, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) anunciou medidas para injetar R$ 55 bilhões no sistema financeiro brasileiro.

De acordo com o Presidente do BNDES, Gustavo Montezano, o valor a ser liberado já tem 4 caminhos definidos.

1ª Frente: FGTS

Primeiramente, será feita a transferência de R$ 20 bilhões de recursos do PIS/Pasep para o FGTS. Esta remessa e administração de valores estará sob responsabilidade do Ministério da Economia.

2ª Frente: Financiamento Direto

Posteriormente, será realizada a suspensão integral de pagamentos de juros por até seis meses para as empresas que têm financiamento direto com o BNDES. A este grupo, serão destinados R$19 bilhões. O que representa um grande avanço em termos de medidas protetivas para a manutenção das empresas brasileiras. Cabe destacar que o prazo total de parcelas e pagamentos segue o mesmo. Ou seja, a diferença que será postergada, passará a ser capitalizada.

3ª Frente: Operações Indiretas

Outro grupo a ser beneficiado por estas medidas é o das pequenas e médias empresas com operações indiretas com o BNDES, que ganharão até R$11 bilhões, considerando a suspensão dos pagamentos de juros e principal por até seis meses. Nesse caso, quando mencionamos operações indiretas, estamos nos referindo créditos negociados com outros bancos, mas com fundos provenientes do BNDES.

4ª Frente: Capital de Giro

Por fim, o quarto caminho possível para estes valores representará R$ 5 bilhões destinados à ampliação de crédito para micro, pequenas e médias empresas. Este valor está deverá ser utilizado como capital de giro e terá repasse via agentes financeiros. Vale ressaltar que a carência é de até 24 meses, e o prazo de financiamento, de até 60 meses.

Nessa lógica, a concessão de créditos às empresas que mais precisam é, sem dúvida, uma forma prática de colocar a economia para funcionar e enfrentar com dinamismo os efeitos devastadores do COVID-19.  

E então, gostou da notícia? Quer saber mais sobre medidas para reduzir os efeitos do COVID-19 na economia brasileira? Recomendamos a leitura do artigo: Quais impostos serão prorrogados para ajudar as PMEs a enfrentar a crise?

Show Full Content
Anterior Quais impostos serão prorrogados para ajudar as PMEs a enfrentar a crise?
Próximo Aposte no Delivery para enfrentar a Crise
Fechar

Próximo conteúdo

Fechar

Entenda o que é Amortização e como realizar este cálculo

8 de janeiro de 2016
Fechar