8 de maio de 2021
Modelos de planilhas e conteúdos sobre gestão empresarial

Desde o segundo semestre de 2018 as mudanças do sistema tributário brasileiro, especialmente o eSocial, têm sido assunto entre empreendedores. Gerando muitas dúvidas sobre sua aplicação prática, benefícios e impactos na gestão das empresas.

Nesse sentido, o cronograma de implantação iniciado em 2018, já é familiar para muitos. Entretanto, como sua aplicação é dividida em uma série de etapas e abrange diversos itens, é fundamental que empresários de todos os segmentos entendam a fundo em que consiste e como funciona este importante sistema.

Por isso, nós da equipe SIGE Cloud, preparamos este artigo compilando as informações necessárias para esclarecer todas as suas dúvidas.

O que é o eSocial?

Em linhas gerais, o eSocial, instituído através do Decreto nº 8373/14, tem o objetivo de sintetizar as informações em um único sistema. Reunindo uma série de declarações e documentos, simplificando o cumprimento de obrigações previdenciárias, trabalhistas e fiscais. Além de agilizar o trabalho dos contadores.

Na prática as empresas ficam obrigadas a enviar regularmente as informações para a plataforma do eSocial. Informações estas que já são registradas, separadamente em modo físico ou online. Com o novo sistema, esse processo foi unificado. Agora todos os registros serão obrigatoriamente informados no portal eSocial Empresas.

Quais documentos fazem parte do eSocial?

Não só a folha de pagamento, como também outros 14 documentos estão compreendidos neste novo sistema. Em síntese, imagine que até bem pouco tempo, sua empresa declarava e pagava por eles individualmente. Agora, além de entregá-los todos de uma só vez, eles ficam disponíveis para consulta online. Parece um bom negócio, não é mesmo?

Confira, então, os documentos que fazem parte do eSocial:

  • Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED)
  • Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social (GFIP)
  • Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)
  • Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT)
  • Livro de Registro de Empregados (LRE)
  • Relação Anual de Informações Sociais (RAIS)
  • Comunicação de Dispensa (CD)
  • Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP)
  • Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF)
  • Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF)
  • Quadro de Horário de Trabalho (QHT)
  • Manual Normativo de Arquivos Digitais (MANAD)
  • Guia da Previdência Social (GPS)
  • Guia de Recolhimento do FGTS (GRF)

Benefícios

Primordialmente, o grande benefício dessa implantação, no que diz respeito aos empresários, é a centralização de informações, redução de erros e desburocratização. Dessa forma, há uma tendência à redução de erros, envio de documentos em duplicidade ou faltantes.

Por outro lado, para o Governo Federal, as vantagens são a sistematização na apuração de informações. Assim, facilita a fiscalização, reduz os índices de sonegação e tende a aumentar as receitas oriundas de tributos.

Cronograma de implantação para 2019

Primeiro grupo – Empresas com faturamento anual, no ano de 2016, superior a R$ 78 milhões

  • Janeiro/2019: deverão ser enviados os dados de segurança e saúde do trabalhador.

Segundo grupo – Demais empresas privadas, incluindo Simples e MEIs que possuam empregados

  • Janeiro/2019: substituição da GFIP (Guia de informações à Previdência Social) e compensação cruzada.
  • Janeiro/2019: envio dos dados de segurança e saúde do trabalhador.

Terceiro grupo – Entes Públicos

  • Janeiro/2019: apenas informações relativas aos órgãos, ou seja, cadastros dos empregadores e tabelas.
  • Março/2019: nesta fase, passa a ser obrigatório enviar informações relativas aos servidores e seus vínculos com os órgãos (eventos não periódicos). Exemplo: admissões, afastamentos e desligamentos.
  • Maio/2019: torna-se obrigatório o envio das folhas de pagamento.
  • Julho/2019: substituição da GFIP (Guia de Informações à Previdência) e compensação cruzada.
  • Julho/2019: na última fase, deverão ser enviados os dados de segurança e saúde do trabalhador.

Quarto grupo – Segurado Especial e Pequeno Produtor Rural Pessoa Física

  • Janeiro/2019: apenas informações relativas às empresas, ou seja, cadastros do empregador e tabelas.
  • Março/2019: nesta fase, as empresas passam a ser obrigadas a enviar informações relativas aos trabalhadores e seus vínculos com as empresas (eventos não periódicos), como admissões, afastamentos e desligamentos.
  • Maio/2019: torna-se obrigatório o envio das folhas de pagamento.
  • Julho de 2019: substituição da GFIP (Guia de Informações à Previdência) e compensação cruzada.
  • Julho de 2019: devem ser enviados os dados de segurança e saúde do trabalhador.

Penalidades

Apesar de trazer diversas mudanças, a aplicação deste sistema, não altera as penalidades que já vem sendo aplicadas às empresas que descumpram suas obrigações. Ou seja, não é algum tipo específico de multa às organizações que não aderirem ao programa imediatamente. Em contrapartida, o processamento e quitação das obrigações da empresa frente à administração federal “ficará praticamente inviável, se ela não se adequar ao eSocial”.

Restaram dúvidas? Não perca tempo, acesse: Portal eSocial.

Show Full Content
Anterior Como fazer uma boa Gestão de Produção?
Próximo Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Gratuito
Fechar

Próximo conteúdo

Fechar

Principais causas do desequilíbrio financeiro nas suas contas

31 de maio de 2017
Fechar